Comentário

O respeito na sala de aula

Por

MÉTODO ULTRAPASSADO
Esse seu texto, na prática, não funciona; a não ser em escolas de nível técnico, faculdade e outros cursos. Mas dentro de uma sala de aula de rede regular pública de ensino não funciona mesmo. Cansei de fazer testes de respeito. Quando vivo respeitando meu aluno, sem revidá-lo, o resultado é: ele se sente no direito de sempre me despeitar porque sabe que não irei além dos meus limites, ele se sente seguro para me provocar porque não verá em mim alguma ameaça que o amedronte. Isso não quer dizer que vou revidá-lo e provocá-lo, mas digo que deve haver um sistema educacional mais rigoroso de vigilância, segurança e fiscalização nas salas de aulas, pois o professor fica a mercê das agressões físicas e verbais, temendo inclusive o que pode-lhe acontecer fora da escola. Meu caro, atualmente o poder público bate na tecla de melhoria educacional no que condiz a salário dos professores, e estão esquecendo que não é essa a pior questão. Do tempo em que dei aula, a sala era o lugar em que mais me sentia insegura, era como se eu fosse para um país estranho sem saber o que aquelas pessoas poderiam me causar. O professor pode ter o maior jogo de cintura pra dominar sua turma, mas enquanto tivermos um sistema excessivamente democrático, onde todo mundo fala o que quer e faz o que quer sem punicao, ele vai continuar sendo desrespeitado. Essa coisa de que vai punir com caderno de ocorrencia, advertencia diante da diretoria, chamando os pais, é super ultrapassado, pois os alunos nao temem mais esses meios. Não funciona mais. Apoio a instalação de cameras em sala de aula, a presença da guarda nacional em escolas, a punição mais adequada para agressores, etc. E nao achem que isso é ditadura ou falta de privacidade; isso é rigor e se nada na vida funciona sem rigor, regras, disciplina, cobrança, entre outros. Lembre-se que professor não é psicólogo; ele é pago para dar aula, ele não é pago para saber se vai ter um emocional preparado para dar aula; porque hoje o professor não dá aula, ele tenta dar aula. Será que esse bla, blá, blá pedagógico vai continuar até acontecer uma desgraça?